Tosse convulsa

6 Dez, 2012

Geralmente, na sua fase inicial, a tosse convulsa revela-se por sintomas idênticos aos de uma constipação vulgar, incluindo fluxo nasal e por vezes, tosse seca. (Este período pode arrastar-se durante horas, dias, ou mesmo semanas, sem que sobrevenha qualquer agravamento.) Na sua fase crítica, manifesta-se por calafrios, vómitos e subida de temperatura, enquanto os acessos de tosse se tornam mais frequentes e prolongados. Surgem então os acessos caraterísticos: a criança tosse cerca de oito a dez vezes antes de poder respirar; finalmente, quando o consegue, faz uma longa e difícil inspiração, acompanhada de um ruido semelhante a um guincho.

A tosse convulsa, que dura, em média, cerca de seis semanas, é mais contagiosa durante as duas primeiras semanas. Por isso, deve-se tomar, nesse período, os maiores cuidados, evitando o contato da criança doente com outras. A administração de um tipo específico de gamaglobulina confere um certo grau de imunidade temporária às crianças e adultos que estejam exposto ao contágio. No entanto, quem tenha sido anteriormente imunizado deve ser revacinado.

Até há poucos anos, a tosse convulsa era considerada uma doença grave, muitas vezes fatal, especialmente quando ocorria no primeiro ano de vida da criança, devido às complicações broncopulmonares que frequentemente provocava. Hoje, porém, graças aos antibióticos, a doença tem quase sempre caráter ligeiro, podendo ser tratada em casa. Só nos casos graves, principalmente de crianças muito pequenas, é indispensável o internamento hospitalar.