Quistos

11 Set, 2012

Quisto é uma formação em feitio de saco, contendo gases, líquidos ou substâncias semi-sólidas. Os quistos podem desenvolver-se em qualquer parte do organismo humano.

QUISTOS NOS OVÁRIOS: Nos ovários podem surgir diferentes tipos de quistos. Os de pequenas dimenções são suscetíveis de desaparecer sem tratamento. Outros, contudo, podem aumentar de volume. Outros, ainda, causam dores que se confundem com as da apendicite. Os quistos volumosos ou que provocam dores devem ser removidos.

QUISTOS PARASITÁRIOS: Os ossos, os rins, o fígado e outros órgãos podem ser contaminados por parasitas que originam quistos, os quais podem desenvolver-se muito lentamente. Por vezes, os quistos do fígado calcificam-se ou crescem demasiado, de forma a exercer pressão sobre os órgãos vizinhos, o que torna necessária a sua extirpação. As amebas (quistos amebianos) e as ténias (quistos hidáticos) estão incluidas entre os parasitas que dão origem a quistos.

QUISTOS SEBÁCEOS: Estes quistos formam-se em consequência da obstrução das glândulas sebáceas. Por vezes, deselvolvem-se a partir de pontos negros. Os quistos sebáceos surgem habitualmente no rosto, nas orelhas, no couro cabeludo e nas costas. Com certa frequência, podem levar à formação de um abcesso. Estes quistos devem ser extirpados cirurgicamente. No entanto, quando se desenvolvem à superfície da pele, podem ser picados e espremidos, mas apenas por um médico.

QUISTOS NOS SEIOS: Estes quistos fazem parte de uma afeção denominada «mastites quísticas crónicas». Os quistos do seio surgem geralmente na menopausa. O seu aparecimento provoca grande apreensão, uma vez que a presença de um caroço no seio é com frequência um dos primeiros sintomas do cancro do seio. Por vezes, torna-se necessário proceder a uma biopsia, para verificar se determinado caroço num seio é um quisto inofensivo ou um tumor maligono.