Pós-parto

17 Out, 2012

Pós-parto que ocorre imediatamente após o parto.

Em geral, a placenta é expulsa logo após o nascimento da criança; caso contrário, o médico remove-a manualmente. Nesta fase, o médico procederá também a quaisquer correções cirúrgicas necessárias, tais como a sutura de golpes ou de rasgaduras à volta da vagina. Em seguida, poderá dar uma massagem suave na parede abdominal, a fim de ajudar o útero a contrair-se. Geralmente, este órgão readquire as suas demensões normais quatro a cinco semanas após o parto.

Pode ser necessário inserir um cateter, para drenar a urina da bexiga, uma vez que, frequentemente, a mulher tem dificuldade e urinar após o parto. É também vulgar o aparecimento de prisão de ventre depois do parto. Se esta perturbação continuar por mais de um ou dois dias, o médico poderá prescrever um catártico suave ou, em casos persistentes, um enema (clister), Normalmente, a hemorragia vaginal prolonga-se durante algum tempo. Este corrimento, chamado lóquios, vai mudando gradualmente de cor, passando de vermelho sanguíneo a branco amarelado, e desaparece ao fim de três ou quatro semanas.

Se a criança vai ser alimentada ao peito, o aleitamento deverá ter início doze horas após o parto. A amamentação estimula a produção do colostro e do leite. O colostro, o liquido sefregado pelas glândulas mamárias após o parto, contém substâncias que aumentam as resistências da criança às infeções.

Se a criança não vai ser alimentada ao peito, serão administradas hormonas à mãe, para evitar a lactação.

Depois de um parto normal, a mãe deve evitar a permanência desnecessária no leito. A prática de alguns exercícios ligeiros favorece a circulação e o funcionamento da bexiga e dos intestinos. No dia seguinte ao parto, a mãe já poderá levantar-se da cama por pequenos períodos de tempo.