Picadas de insetos

Um reduzido número de insetos morde no sentido exato da palavra «morder». A maior parte dos insetos que atacam o homem limita-se a picar-lhe a pele. A lesão produzida pela picada resulta das substâncias deixadas na ferida. Os mosquitos, os piolhos injetam uma substância que impede temporariamente a coagulação do sangue. Regra geral, verifica-se uma reação alérgica no local da picada, que se traduz por inflamação e purido. Habitualmente, a sensação de incómodo desaparece após algumas horas e a picada em si mesma não tem consequências graves. Contudo, muitos dos insetos sugadores de sangue são transmissores de doenças graves, como a malária, o tifo, a febre amarela e a febre dengue.

Não se deve coçar o local da picada, para não expor a pele lesada ao perigo de uma infeção secundária. Pode-se aliviar o prurido cobrindo a zona afetada com uma pasta de bicarbonato de sódio com algumas gotas de água ou aplicando loção de calamina. Para evitar as picadas dos insetos, recomenda-se o uso de replentes.

Por vezes, alguns insetos não sugadores de sangue produzem picadas e ferroadas dolorosas e bastante graves. Estes animais atacam apenas quando alguém, inadvertidamente, os perturba. As abelhas, as vespas, os vespões e algumas espécies de aranhas e formigas injetam um veneno que não só produzem uma reação local, mas também pode afetar todo o organismo. Alguns insetos deixam um ferrão, contudo veneno, no local da picada, que deve ser extraído imediatamente, e por completo, com uma pinça ou com as unhas.

As pessoas que apresentam uma reação excessiva a uma picada ou uma ferroada devem ser dessensibilizadas por meio da administração, por parte do médico, de uma série de doses de veneno. Também devem trazer sempre consigo os medicamentos indicados para aplicação no caso de serem atacadas por insetos.

Se uma pessoa que foi vitima de picada ou ferroada mostrar sinais de mal estar físico e apresentar inchaço no rosto ou no corpo, é necessário consultar o médico imediatamente ou transporta-la para um hospital.