Parto em circunstâncias anormais

26 Out, 2012

Quando um parto tiver que ocorrer em circunstâncias anormais, isto é, quando não for possível transportar a parturiente para um hospital, nem sempre obter  assistância adequada, estão indicadas as seguintes medidas de urgência:

1 – Antes do mais, se possível, lavar muito bem as mãos.

2 – Deixar que a expulsão se processe espontaneamente (não tocando na vulva nem na gagina da parturiente, não tentando puxar o bebé, nem procurando extrair a placenta).

3 – Após o nascimento, atar com firmeza o cordão umbilical (com uma fita ou um fio), dando um nó a cerca de 15 centímetros do recém-nascido e outro a cerca de 6 centímetros do primeiro.

4 – Cortar o cordão umbilical entre os dois nós (utilizando uma faca ou uma tesoura previamente esterilizadas por fervura ou por chama).

5 – Limpar o rosto do recém-nascido, especialmente a boca e o nariz (com uma toalha ou um lenço em tecido, mas nunca com um lenço de papel).

6 – Se o recém-nascido não chorar e não começar a respirar imediatamente, mantê-lo de cabeça para baixo, segurando-o pelos tornozelos com uma das mãos e dar-lhes pancadas ligeiras, entre as omoplatas, com a outra mão, até que comece a chorar.

7 – Se a medida anterior não se mostrar eficaz, aplicar-lhe a respiração boca a boca.

8 – Depois de o recém-nascido começar a respiração, coloca-lo, se possível, em ambiente aquecido, deitado de lado e agasalhado com um cobertor.

9 – Após a expulsão da placenta, dar massagens suaves no abdómen da parturiente, durante cerca de 15 minutos.

10 – Guardar a placenta, a fim de a mostrar ao médico.