O sexo na meia-idade

O sexo na meia-idadePor volta dos 40 ou 50 anos, ou mais tarde, verifica-se, tanto nos homens como nas mulheres, um declínio (não o termo) da produção da hormona sexual. Porém, esta diminuição não significa uma correspondente redução da atividade sexual. A função sexual depende apenas parcialmente do nível de produção da hormona, sendo principalmente influenciada por fatores de ordem emocional, tais como a formação psicológica, o clima das relações conjugais e o êxito ou fracasso das experiências sexuais. Por outro lado, na meia-idade, pode ocorrer uma certa diminuição do impulso e da capacidade sexuais, embora não ao ponto de impedir uma vida sexual ativa.

Algumas mulheres manifestam um aumento da atividade sexual entre os 45 e os 55 anos, o que pode estar ligado à ausência de gravidez ou a uma disponibilidade de energia anteriormente despendida no tratamento e na educação dos filhos. Pelo contrário, outras mulheres, nessa fase, sentem um progressivo desinteresse pelas relações sexuais, o que pode estar relacionado com problemas e frustações sexuais anteriores. Nestes casos, consoante a sua natureza, pode estar indicado o recurso ao ginecologista ou ao psiquiatra. De modo geral, o interesse e a satisfação sexuais têm mais probabilidades de continuar durante muitos anos, depois da menopausa, quando as mulheres tiverem um casamento feliz e harmonioso, com uma conceção perfeitamente saudável acerca do sexo.

Nos homens, a capacidade sexual costuma diminuir depois dos 50 anos. Todavia, algumas descobertas vieram demonstrar que este fenómeno não é absolutamente inevitável. Muitos casos de impotência podem ser tratados com êxito por meio de uma boa orientação sexual. Desde que gozem de boa saúde e mantenham um vivo interesse pelo sexo, os homens, tal como as mulheres, podem desfrutar de uma atividade sexual satisfatória até aos 70 ou 80 anos.

Ainda nos homens, diversos fatores podem contribuir para afetar a sua resposta aos estímulos sexuais. O excesso de comida e de bebida pode causar uma diminuição temporária da capacidade e do desejo sexuais; o álcool, em especial, pode dar origem a uma incapacidade de erecção.

O trabalho pode também reduzir o tempo disponível para as relações sexuais e provocar uma quebra de comunicabilidade com o cônjuge. As contrariedades profissionais podem igualmente determinar um enfraquecimento do interesse pela atividade sexual.

A fadiga mental e a tensão emocional, mais que a fadiga física, têm efeitos desfavoráveis sobre a capacidade sexual masculina. Um dia esgotante de trabalho ou um grave problema familiar ou financeiro implicam um dispêndio de energia que pode enfraquecer a resposta aos estímulos sexuais, mesmo durante alguns dias após o stress inicial. A influência da fadiga mental sobre a capacidade sexual varia em função da idade, sendo mais significativa nos homens de meia-idade ou de idade avançada do que nos jovens.

A capacidade e a atividade sexuais podem ser afetadas, transitoriamente ou por longos períodos de tempo, em consequência de uma enfermidade. Mas uma doença grave, mesmo de natureza cardíaca, não implica necessariamente o termo da atividade sexual. Em tais casos, apenas se torna imprescindível saber como e quando se pode ter relações sexuais, assunto este que carece de ser tratado com o médico. Não se deve ter receio de discutir qualquer problema sexual com o médico da familia. pois este pode dar conselhos muito úteis ou, se assim o entender, recomendar um bom especialista.

Em resumo, dir-se-á que o segredo para conservar uma boa capacidade sexual na meia-idade consiste em manter regularmente relações sexuais. A prática normal do ato sexual, juntamente com uma boa saúde e uma compreensiva atitude em relação às alterações próprias daquele período, contribuem para manter uma vida sexual ativa até uma idade avançada.