Gravidez

8 Out, 2012

Gravidez é o estado de uma mulher grávida. A gravidez principia com a fecundação de um óvulo por um espermatozóide e termina, passados cerca de 280 dias, com o nascimento da criança.

Há boas probabilidades de sobrevivência para uma criança cujo nascimento ocorra após 28 semanas de gravidez, desde que lhe sejam dispensados cuidados especiais. A gravidez múltipla (presença de mais de um feto no útero) pode dar origem a um parto prematuro. Entre outras causas de parto prematuro, estão inclúidas a tensão nervosa, infeção ou rotura das membranas que envolvem o feto. Por vezes, a gravidez continua para além do tempo normal. Há casos de crianças saudáveis nascidas após 300 dias, ou mais, de gestação.

Durante os três primeiros meses não há sintomas que permitam o diagnóstico clínico de certeza de gravidez. Contudo, as hormonas, bem como outras substâncias lançadas pela placenta na circulação sanguínea da mãe, produzem efeitos detetáveis, com um teste de gravidez.

Após a nidação (fixação no útero), o ovo vai-se subdividindo, repetidas vezes, duplicando as suas dimensões. Primeiro, forma-se uma fina camada de células, em forma de disco, que seguidamente se dobra, formando uma cavidade central. Ao fim da segunda semana, uma medula espinal rudimentar está já formada e a pequena massa de tecido em desenvolvimento toma a caraterística forma enrolada de um embrião. Ao fim de quatro semanas, aparecem pequenas proeminências, que irão dar origem aos braços e ás pernas. Decorridas oito semanas, o embrião mede aproximadamente 2,5 centimetros de comprimento, sendo já possível identificar certas áreas correspondentes a futuros órgãos, como o coração, os ouvidos, pulmões, olhos e rins. Ao fim do terceiro mês de gestação, o feto tem já forma humana.

Os primeiro trimestre da gravidez constitui o período crítico. Se a grávida contrair a rubéola ou certas infeções ou se o seu sangue contiver substâncias nocivas, a criança poderá nascer com defeitos congénitos. A mulher grávida não deve tomar quaisquer medicamentos durante os três primeiros meses de gravidez, a menos que o médico os prescreva.

Ao fim do quarto mês a grávida pode sentir os movimentos ativos do feto; com o auxílio de um estetoscópio, é possível ouvir o batimento cardíaco da criança. O feto começa a exercer pressão sobre os órgãos internos e provoca vários tipos de incómodos, tais como falta de ar, hemorróidas, prisão de ventre e dores nas costas.

As rações físicas e emocionais que acompanham a gravidez variam de uma pessoa para outra. Na generalidade, a gravidez decorre sem quaisquer complicações graves; contudo, em casos raros, apresenta riscos e dificuldades. Se a mulher sofrer de hipertensão arterial, tuberculose, doenças cardíacas, doenças dos rins ou outras afeções graves, podem surgir complicações durante a gravidez. A toxemia da gravidez é também uma complicação grave, que pode levar à eclampsia, se não for tratada.

Se a gravidez for acompanhada pelo médico, quaisquer complicações potencialmente graves poderão ser detetadas, evitando-se assim o seu agravamento.

É um especialista (obstreta) que presta assistência durante a gravidez e o parto. Toda a mulher grávida deve consultar o seu médico regularmente, a partir do momento em que suspeitar da existência de uma gravidez.