Epilepsia

13 Jun, 2012

A epilepsia é uma doença crónica do sistema nervoso, em que há periodicamente episódios de perda de conhecimento, acompanhados de convulsões e que normalmente não são perigosos. Na sua maior parte, os ataques podem ser controlados ou evitados com medicação adequada.

A epilepsia pode ser o resultado de um traumatismo ou infeção cerebral, mas vezes, a causa pode ser um tumor cerebral. Contudo, em alguns casos , é impossivel detetar a causa especifica e parece haver uma pequena tendência hereditária para a epilepsia.

O tipo de ataque mais grave e mais frequente é o chamado o «grande mal». Normalmente, é procedido por uma aura, sensação que o indivíduo tem antes de cada ataque, e difere de pessoa para pessoa. O epiléptico perde a consciência e cai, sofrendo depois convulsões. Estrebucha e deita espuma pela boca. O  ataque dura apenas alguns minutos.

«Pequeno mal » é o nome dado ao tipo de ataque menos grave. Verifica-se nas crianças e, normalmente, passa com a idade. De repente, as crianças parecem estar a sonhar ou apáticas. Podem ter ligeiras contrações, mas não caem nem têm convulsões. O ataque passa decorridos alguns segundos.

Um terceiro tipo, o ataque psicomotor, é caraterizado por agitação, movimentos confusos ou desconexos e amnésia.

A epilepsia é diagonosticada através dos sintomas, por meio de eletroencefalograma, radiografia ao crânio e outros testes.

Quando tem uma convulsão o doente deve ser deitado no chão, longe de qualquer objeto com que possa magoar-se. Deve-se enrolar um lenço grande, ou qualquer outro objeto do mesmo género, colocá-lo entre os dentes do doente, para evitar que ele morda a língua ou os lábios. Em seguida, deve-se deitá-lo de lado, para o caso de ele vomitar. Se a um ataque se segue outro é conveniente consultar um médico.