Endurecimento das artérias

3 Out, 2012

Na meia-idade e na idade avançada, a circulação do sangue através das artérias tem tendência a tornar-se difícil. As paredes e as superfícies internas das artérias torna-se gradualmente mais espessas e menos elásticas devido à acumulação de gordura e depósitos minerais. Num grande número de casos, este endurecimento das artérias, ou arteriosclorose, não chega a produzir incapacidade. Contudo, por vezes, a excessiva acumulação de depósitos de gordura no interior das paredes provoca uma tal diminuição do seu calibre que a passagem do sangue fica gradualmente dificultada. Esta forma de arteriosclerose, designada medicamente por arterosclerose, pode ser muito grave.

Desconhece-se a causa do aparecimento da arterosclerose. Por vezes, dentro da mesma familia verifica-se uma tendência para o seu desenvolvimento. Esta predisposição pode estar associada a hábitos alimentares ou a um fator de hereditariedade. Parece existir uma relação direta entre o desenvolvimento da arterosclerose e a adoção de uma alimentação rica em gorduras, especialmente as gorduras saturadas existentes na carne e nos produtos lácteos.

Os sintomas e complicações da aterosclerose dependem da sua localização. Em muitos casos, os indícios de uma circulação sanguínea deficiente manifestam-se primeiramente nas pernas. Podem surgir dormência e arrefecimento nos pés, assim como cãibras e dores nas pernas na sequência de qualquer exercício, ainda que ligeiro.

Outras vezes, as artérias coronárias podem ser as mais afetadas, causando a dor caraterística da angina pectoris. Se as artérias dos rins forem atingidas, podem surgir perturbações renais. A perda parcial da memória e outras lesões cerebrais podem manifestar-se quando as artérias do cérebro são afetadas.

TRATAMENTO: Não se conhece uma forma de tratamento capaz de restituir às artérias endurecidas as suas condições originais. Contudo, é possível propocionar alívio para a arteriosclerose e impedir o seu agravamento. Em caso de arteriosclerose, deve-se consultar o médico, que prescreverá o tratamento adequado a cada caso particular. Por vezes, pode ser necessário recorrer a uma intervenção cirúrgica, a fim de remover os coágulos sanguíneos ou aumentar o diâmetro de cetas artérias de maiores demensões. Determinados medicamentos, podem ser prescritos para atenuar os sintomas da doença nas artérias coronárias. O médico pode aconselhar uma alimentação pobre em colesterol e gorduras saturadas. Em qualquer caso, deve-se evitar o escesso de peso. O hábito de fumar, que produz a contração dos vasos sanguíneos, deve ser suspenso ou definitivamente abandonado.