Diabetes

28 Set, 2012

Há dois tipos de diabetes: a diabetes mellitus e a diabetes insípida. Estas doenças, embora não estejam relacionadas, manifestam-se ambas por sede e aumento de volume urinário.

A diabetes mellitus é uma doença hereditaria, desconhecendo-se a sua verdadeira etiologia. Em muitos doentes, aparece quando o pâncreas deixa de produzir a hormona insulina em quantidade suficiente (uma perturbação conhecida por hipo-insulismo) ou quando o organismo não a utiliza devidamente. A insulina auxilia o organismo a metabolizar os hidratos de carbono. Na diabetes, há uma maior concentração de açucar no sangue; eventualmente, este excesso de açúcar passa para a urina, situação conhecida por glicosúria. A doença é diagnosticada fazendo análises à urina e ao sangue e pesquisando o açúcar. A diabetes mellitus requer cuidados médicos contínuos. Se o doente é uma pessoa obesa, estabelece-se imediatamente um regime de redução de peso e exercício. Em casos ligeiros, estas medidas são suficientes para controlar a doença. Se o estado é mais grave, ou se começa na infância, prescreve-se injeções de insulina ou outros medicamentos em comprimidos. A dose e o tipo de insulina variam conforme o indivíduo. Se a diabetes não for tratada, as consequências podem ser extremamente graves. O diabético que toma insulina pode ter uma perigosa diminuição de açucar no sangue (hipoglicemia), acompanhada de tremores, fraqueza e fome, podendo até entrar em coma ou ter convulções. Estes doentes devem trazer consigo um cartão de identificação dizendo que são diabéticos, isso pode salvar-lhes a vida.

A diabetes insípida é causada por uma perturbação da secreção da glândula pituitária, que controla o balanço de líquidos do organismo. Para regular esta perturbação, prescreve-se extratos da glândula pituitária.