Cuidados com o sol

10 Mar, 2010

A diminuição do nível da camada de ozono, a cada ano que passa, provoca o aumento da radiação UV que atinge a Terra no Verão. A relação entre a exposição ao sol e a protecção da pele, torna-se cada vez mais complicada.

Os estudos científicos revelam que um em cada três cancros detetados em todo mundo, é da pele.
Nesse sentido, uma das maiores causas deste mal, é a alta exposição ao sol de verão, sem protecção.

É possível afirmar que os corpos com um bronzeado perfeito podem ter um risco real de cancro na pele. O sol, o mar e a praia são sinónimos de verão, mas também significam grande exposição à radiação solar, que é cada vez mais nociva.

Nos últimos anos, as estatísticas globais de detecção de cancro da pele, indicam que o número de pessoas afectadas pela doença aumentou, entre 3 e 8% entre as camadas mais jovens.

Os especialistas referem que as pessoas mais predispostas à doença são: as que têm uma pele e olhos claros; as que fazem uma exposição solar prolongada; as que durante a infância tiveram episódios de queimadura solar; as que têm um historial pessoal ou familiar de cancro de pele ou ainda as que têm muitos sinais ou sardas.

O período mais crítico do dia é entre as 11.30h e as 15:00h, pelo que deverá haver uma procura da sombra, evitando a exposição solar. Em todos os casos, use sempre um bom protector solar.
Os médicos dizem que o cuidado da pele deve ser maior nos primeiros anos de vida. As crianças com menos de um ano não deverão ser expostas ao sol mas mesmo assim deverão usar sempre protector solar.

Se tem uma pele muito branca, deve usar um protector solar com um índice preferencialmente entre 40 ou 60. Para as peles mais morenas pode ser usado um factor de 15. Mas é sempre aconselhável a utilização de um factor 30 ou superior.

No entanto, nem tudo é negativo quanto a exposição ao sol. Os estudos demonstram que pequenas exposições à radiação UV são positivas, pois desempenham um papel essencial na produção de vitamina D.

Escolher o melhor protector solar depende da sensibilidade da pele à radiação, dos sinais ou das sardas e dos antecedentes familiares de cancro na pele. Por exemplo, um homem peludo é menos sujeito que uma menina de 10 anos. Por essa razão, os médicos recomendam que seja o dermatologista ou o farmacêutico a determinar o filtro apropriado para cada pessoa. A sua aplicação deve ser uniforme em todo o corpo e ser efectuada 30 minutos antes de se expor ao sol. As zonas sensíveis são: o pescoço, as orelhas e a parte superior da cabeça, no caso de calvície. Além disso, deve reaplicar o protector a cada duas horas ou depois de estar na água.

Acima de tudo, proteja a sua saúde, mesmo que isso implique um bronzeado mais suave.