Apetite

29 Out, 2012

Apetite, vontade de comer. O apetite e a fome não são sinónimos. O apetite designa uma vontade que pode ser completamente independente da fome. Pode-se ter apetite mesmo com o estômago repleto. A fome, pelo contrário, é a necessidade física de alimento. É acompanhada de dores, devidas às contrações das paredes do estômago vazio. Uma pessoa saudável tem apetite quando sente fome.

O ambiente em que decorrem as refeições tem influência no apetite. Se os alimentos se apresentam primorosos e são servidos numa atmosfera agradável, é mais provável que despertem o apetite, tornando a refeição um prazer. O barulho, o mau aspeto dos alimentos e um estado de espírito pouco propício podem anular a vontade de comer. A hora das refeições não é momento indicado para tratar de assuntos de dinheiro ou falar do mau comportamento das crianças, ou ainda para abordar algum tema que possa suscitar discussões. Deve fazer-se o possível por transformar cada uma das refeições num acontecimento calmo e agradável.

SUBALIMENTAÇÃO: A falta de apetite durante um certo período de tempo pode constituir um aviso. Frequentemente, a perda do apetite resulta de problemas emocionais. É também um sintoma comum de uma ampla gama de doenças, que inclui a hepatite e o tumor canceroso. Se a falta de apetite não desaparecer naturalmente, deve-se consultar o médico.

SUPERALIMENTAÇÃO: Por vezes, as pessoas infelizes ou que atravessam períodos de grandes preocupações comem em excesso, em busca de compensação. Os adolescentes comem normalmente muito, para suprir as necessidades de substâncias nutritivas do seu organismo em crescimento. No entanto, a superalimentação pode também ser um sintoma de doença, especialmente se for acompanhada de perda de peso, o que acontece, por exemplo, na diabetes e na hiperatividade da tireóide.