Ancilostomíase

30 Abr, 2013

AncilostomíaseDoença causada pela infestação dos intestinos por um verme parasita, o Ancylostoma duodenale. Este verme, com cerca de 1 cm de comprimento, instala-se na mucosa do intestino delgado, onde suga o sangue da vitima. Quando presentes em grandes quantidades, os ancilóstomos dão origem a amemia e má nutrição, podendo retardar o desenvolvimento físico e mental das crianças atingidas. As pessoas afetadas por esta doença tornam-se pálidas fracas e perdem peso.

Como os ancilóstomos penetram no organismo: O ciclo evolutivo destes vermes inicia-se quando os ovos, que a fêmea produz no intestino delgado humano, são expulsos com as fezes. Se forem depositados num solo quente e húmido, estes ovos transformam-se em larvas. Nesta fase, os ancilóstomos podem atravessar a pele e penetrar na corrente sanguínea, atingindo finalmente o intestino delgado já sob a forma de vermes adultos. Desde o momento da penetração das larvas na pele até à expulsão dos ovos pelas fezes, o ciclo completo dura várias semanas.

Diagnóstico e tratamento: O diagnóstico faz-se por meio de um exame às fezes, nas quais os ovos são facilmente identificáveis. O tratamento consiste principalmente em procurar melhorar o estado geral do doente por meio de uma alimentação rica em proteínas com suplementos de ferro. O médico pode prescrever um dos muitos medicamentos destinados a eliminar os vermes do tubo digestino.

Prevenção: A ancilostomíase constitui um grave problema de saúde pública em áreas onde as instalações sanitárias são inadequadas. Combate-se esta doença mediante a instalação de casas de banho com ligação à rede de esgotos ou a fossas profundas, que impeçam a proliferação das larvas. Outra medida profilática consiste em não permitir que as crianças andem descalças em zonas onde a ancilostomíase seja frequente.