Acidente vascular cerebral – causas e sintomas

25 Jun, 2012

A trombose cerebral situa-se entre as três primeiras causas de congestão cerebral. Esta forma de trombose consiste na interrupção gradual da irrigação de uma parte do cérebro, causada pela formação de um trombo, ou coágulo sanguíneo, numa artéria cerebral. Os trombos resultam da lesão das paredes arteriais, geralmente provocada pela arteriosclorose.

Em segundo lugar, a congestão cerebral pode derivar de uma embolia cerebral. O êmbolo pode ser constituído por uma porção de gordura ou pequeno aglomerado de bactérias, contudo, frequentemente, trata-se de um fragmento de um coágulo sanguíneo que se desprendeu ou, mais raramente, de uma pequena porção de uma válvula ou de uma parede do coração, afetadas por doença. O êmbolo desloca-se nos vasos sanguíneos e pode bloquear uma artéria do cérebro ou uma das principais artérias do pescoço, que transportem o sangue até ao cérebro.

A terceira causa de congestão cerebral, com frequência a mais grave, é a hemorragia cerebral, ou seja, a rotura de um vaso sanguíneo cerebral enfraquecido.

Geralmente, as congestões cerebrais manifestam-se por sintomas como colapso repentino, ou perda dos sentidos, normalmente companhados por paralesia de um dos lados do corpo. Por vezes, as congestões cerebrais são precedidas de dores da cabeça, náuseas e zumbido nos ouvidos.

Uma primeira congestão cerebral muitas vezes não causa a morte, a menos que seja seguida por complicações (uma pneumonia, por exemplo). Se apenas um pequeno vaso sanguíneo for afetado, a recuperação é quase certa e, por vezes, total.